quinta-feira, julho 30, 2009

Vaso Esvaecido


Vaso Esvaecido





Somos vasos que caem e se quebram

Vasos que se restauram

Um vaso colado nunca é igual,

Mas permanece fundado



Um coração quebrantado

Tentando se equilibrar

Sim! Sou um equilibrista agora!

Se dissolvendo por dentro, chorando por fora



Distante da peça fundamental para ser sustentado

Numa ânsia de tê-la comigo,

Fulgindo, linda

Mas o que resta é só essa tristeza infinda!




Fatigante, doloroso, como um vaso caído

Sinto-me prostrado, arruinado, infringido!

Este é um vaso triste, cabisbaixo, machucado,

Vivendo...

Sem o pedaço que lhe foi tirado




Mergulhado...

Em uma pilha de cacos

Tentando encontrar o pedaço

Do peito que lhe foi arrancado.




Que desalento.

Oh! Que ânsia de ser suprido!

Quem sou eu?

Diga-me...

Sou um vaso partido?




**


Autor: David Buster



**


Lindo poema, espero que deste

Surjam tantos outros, lindos,

Como este!

terça-feira, julho 14, 2009

O sol na minha vida!



Abriu-se uma janela
Após ter se fechado uma porta
E da janela pude ver o sol nascer
Lindo, resplandecente, dourado
Pude contemplá-lo em sua plenitude
E veio uma imensa vontade de viver
Uma vontade de respirar ar puro
Ver o verde, pássaros, cores
Sentir o perfume, cheiro de mato
E sorrir pro mundo, correr entre as flores
Viver uma história,
Sorrindo pra vida

Em busca de meus ideais

Deixar o amor acontecer

Sem medo de sofrer

E buscar em meu sorriso

Minha vontade de seguir
O caminho que há de vir!
E caminharei pela estrada
Feliz, e extasiada
Pois a felicidade existe

Quando se insiste
Em viver cada dia
Como se fosse o único dia
Porque é preciso enxergar a beleza

Da vida, nas coisas mais simples

Na intensidade do sonhar

Na pureza do cantar

**

Neste momento, escuto os passarinhos cantando

E minha alma se alegra!

***

S.M


Beijos carinhosos de sempre.