quarta-feira, outubro 24, 2007

Chuva na vidraça.

Vejo a chuva caindo, pela vidraça.
Seus pingos escorrem
Como se fossem lágrimas
Como se o céu chorasse
Mas em meio a tudo isso
Sinto o cheiro de terra molhada
O cheiro de natureza viva
Recordo-me da infância
Em minha memória
Vejo-me com os pés descalços
Nas poças formadas
No meio fio
Fazia barquinhos de papel
Jogava-os nas águas
Ficava vendo-os navegando
Até se desmancharem
Como se estivessem em alto mar
Ah! Chuva, pingos de cristal...
Que traz na lembrança
Os sonhos de criança!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre

8 comentários:

  1. A chuva...muitas vezes nos leva a reflexões...ao passado...ao amor.
    Ficou perfeito. beijossssssssssss

    ResponderExcluir
  2. *
    e a chuva continuará,
    chuva de poemas,
    em todo o sempre,
    *
    estrelinhas do mar
    para ti
    *

    ResponderExcluir
  3. Olá Soraya, lindo poema.
    Adorei!!!
    Grata pela visita ao meu cantinho.
    Beijinhos,
    Fernandinha

    ResponderExcluir
  4. Cai a chuva lentamente, lágrimas dos anjos que abençoam a terra.

    Parabens pelo poema e obrigado pelo comentario e visita ao Mar de Sonhos.

    Bj

    ResponderExcluir
  5. Que lindo poema e adorei a tua casa. Voltarei mais vezes. Passando deixo-te beijinhos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que lindo...que maravilhosa poesia...no encanto...senti-te...


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  7. O poema é lindíssimo, a música fantástica e a imagem da chuva muito sugestiva e enternecedora.

    ResponderExcluir
  8. A chuva, a água... navegar! Pensar!
    Anda por aí uma criança a jogar com uma bola de cristal!
    Doce melodia.

    ResponderExcluir

Bem vindos ao blog Cheiro de Perfume.
Obrigada pela presença e pelos comentários aqui deixados.

Um grande beijo!