terça-feira, outubro 30, 2007

Pedaços!

Somos parte de nós mesmos
Somos nós parte de alguma coisa
Invenção da vida, do tempo.
Buscamos algo que nem sempre achamos
E os sonhos vão se embolorando
Tornando-se folhas de papeis amareladas
Guardadas no fundo da gaveta
E em nossa mente
Nada se transforma
Ficam sempre os restos de sentimentos
Que perdemos em algum lugar do passado.
Passado esse que resistiu aos seus fragmentos
Á suas recordações, e suas lembranças.
Somos pedaços de saudade
Intermináveis!
Nossos pensamentos sempre estão à procura
Da profundidade dos momentos
Que um dia vivenciamos
Assim somos levados ao infinito
De nosso ser, sempre em busca...
De outro Ser!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre

sábado, outubro 27, 2007

Nossos Desejos!

Desejos, volúpias, segredos só nossos.
Ama-me sempre
Como se fosse a primeira vez
Sentidos, olfatos, nossos gostos...
Misturam-se,
Em busca cada vez mais do sabor
Do amor!
Viramos, reviramos nos entregamos.
Os corpos,
Já se conhecem, já se conduzem.
E no olhar a mistura de nos mesmos
O doce sussurrar, o doce trepidar...
Da voz louca, meio rouca...
Nossos sons se misturam
Entre gemidos, o encanto...
Do prelúdio e o sabor
Do mel de sua boca
A me procurar
A me beijar!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre

quarta-feira, outubro 24, 2007

Chuva na vidraça.

Vejo a chuva caindo, pela vidraça.
Seus pingos escorrem
Como se fossem lágrimas
Como se o céu chorasse
Mas em meio a tudo isso
Sinto o cheiro de terra molhada
O cheiro de natureza viva
Recordo-me da infância
Em minha memória
Vejo-me com os pés descalços
Nas poças formadas
No meio fio
Fazia barquinhos de papel
Jogava-os nas águas
Ficava vendo-os navegando
Até se desmancharem
Como se estivessem em alto mar
Ah! Chuva, pingos de cristal...
Que traz na lembrança
Os sonhos de criança!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre

quarta-feira, outubro 17, 2007

Esperança sempre!

Quero ter a esperança...
Que a chuva vai cair
E que os pingos dela
Vão molhar meu rosto
Que o sol vai brilhar
E que seu calor irá me aquecer
Que as flores vão se abrir
E que vou sentir seu perfume
Que os pássaros irão cantar
E que vou ouvir a mais linda melodia
Que a dor virá
Mas que um dia ela vai passar
Que os amigos vão sorrir
E que eu sorrirei junto com eles
Que os sonhos não vão se acabar
E que vou poder concretizá-los
Que a felicidade será constante
Que a liberdade se fará presente
E que vou saber voar
Que o amor pra sempre existirá
E que eu vou amar intensamente!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre.

domingo, outubro 14, 2007

O Luar, o Mar o Amar!

Ouço o som do mar...Quanto mar
Vejo o mar...O amar e como amar
Ondas vêm e vão
Risca a pedra, risca areia e risca o chão.
Espumas se formam
A água percorre-me, umedece-me,
Acaricia-me e beija-me
Repito seu nome
Entre as ondas, o mar feroz.
Ouço o eco da própria voz
Deslizo-me para o fundo
Vejo estrelas, conchas e suas pérolas.
Corais se enrolam
Desenham-se e se formam
Anoitece, a lua ilumina o oceano.
O mar se acalma
Retiro-me das águas
Deito-me em meu leito
Olhando o luar no mar
E te busco em pensamento
Adormeço...
Encostada em seu peito!
(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre.

quarta-feira, outubro 10, 2007

Poema Rabiscado.

Rabisquei um poema
Fiz metáforas e rimas
Voei até o infinito
Em busca de mais letras
Em busca de inspiração
Para poder escrever, falando
De um amor, de uma paixão.
Pude ver em cada letra
Um significado diferente
Uma outra forma de escrever
E ao reler o poema
Notei em desespero o que lia
Que todo o amor que foi escrito
Não era no papel que existia
E sim dentro do coração
Veio-me a inspiração
Brinquei apenas com as letras
Que ficaram a dançar
Diante do meu olhar
E o poema de amor
Com toda sua cor
Espalhou-se no papel
Tornando-se apenas
Letras soltas ao léu!

(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre.

sexta-feira, outubro 05, 2007

Houve um tempo...

Houve um tempo...
Em que as árvores floriam mais
Houve um tempo...
Em que as árvores davam mais frutos
Houve um tempo...
Em que se subia na árvore
Houve um tempo...
Em que se comia à fruta sentada na árvore
Houve um tempo...
Em que o sol nem mal fazia
Houve um tempo...
Em que o céu era mais azul
Houve um tempo...
Em que se podia andar na chuva
Houve um tempo
Em que andar descalço era prazeroso
Houve um tempo...
Em que o vento era só uma brisa tocando o rosto
Houve um tempo...
Em que os passarinhos cantavam mais
Houve um tempo...
Em que se podia ter sonhos
Houve um tempo...
Em que se era feliz
Houve um tempo...
Em que solidão nem se sentia
Houve um tempo...
Em que o tempo passava devagar
que era tão bom de se apreciar
Houve um tempo...
Em que o tempo não volta mais!

(Soraya)
**
Beijos carinhosos de sempre.

segunda-feira, outubro 01, 2007

Entrega!

Suave como a brisa
Leve como a pluma
Assim deslizam as
mãos de alguém
que quer amar!
Entre sorrisos
Olhares apaixonados,
Se confundem.
Se despem,
Se entregam,
Sem vergonha,
Sem pudor
Se faz o amor!
S.A
**
Beijos carinhosos de sempre.